Curiosos

pesquisar

 
Segunda-feira, 07 / 01 / 13

Crianças e a idade dos porquês

A idade dos porquês

"Porque é que comemos?"; " Porque é que as estrelas não caem?"; "Porque é que o Sol se vai embora à noite?"; "Porque é que o céu é azul?"; "Porque é que as pessoas e os animais morrem?"; "Porque é que tens que ir trabalhar?"….

Por vezes a "chuva" de perguntas è tão intensa que deixa os pais sem argumentos e também a questionar-se: "Porque é que isto acontece com o meu filho?"
A resposta à sua questão é a seguinte:
- O seu filho chegou à idade da curiosidade insaciável dos porquês.

Esta fase dos "porquês" surge habitualmente por volta dos 3/4 anos no chamado período pré-operatório, tal como o denominou Jean Piaget (Psicólogo suíço pioneiro no estudo do desenvolvimento infantil). Nesta fase a criança inicia a capacidade para criar imagens mentais na ausência do objecto e da acção (função semiótica) além de atribuir "personalidade" aos objectos (animismo). Estas duas características fazem com que a criança tenha uma grande necessidade de compreender os limites e as particularidades do mundo que a rodeia porque de facto está a ver e sentir mais do que consegue compreender.

Embora esta fase possa surgir mais tardiamente (temos que ter em conta que também depende da estimulação e capacidade intelectual de cada criança entre outros factores ambientais e familiares), normalmente a partir dos 4 anos os porquês são habituais e reflectem uma curiosidade por vezes insaciável perante o mundo. Esta é uma fase muito importante para o desenvolvimento cognitivo (intelectual) da criança.
Algumas SUGESTÕES:

  • Nunca ignore uma pergunta do seu filho, ouça-o com atenção.
  • Se não estiver certo(a) do que vai responder diga-lhe que mais tarde lhe responderá, depois de ter reflectido ou pesquisado o assunto em questão.
  • As suas respostas devem ser adequadas à idade, num vocabulário adequado e de fácil compreensão.
  • Não elabore mentiras ou "respostas fantásticas" que a criança acaba por perceber que não corresponde à verdade. Respondendo com uma mentira o seu filho deixará de confiar nas suas afirmações. 
  • Existem momentos próprios para fantasiar e outros para responder concretamente ás questões dos seus filhos, deve tentar diferenciá-los.
  • Evite dar respostas antes da criança perguntar, dê-lhe tempo para pensar e formular as questões.
  • Nunca entre em contradição com o seu parceiro pois isso vai confundir a criança.
  • Amor, atenção estão na essência das respostas mais saudáveis aos porquês do seu filho.
publicado por Curiosos às 10:05

mais sobre o curso

Janeiro 2013

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

últ. recentes

  • Concordo com tudo o que foi dito, mas também nem s...
  • gostei do post ... é como eu tento agir com as min...
  • A designação de Escola Primária para 1º ciclo mudo...
  • Concordo e defendo, pena que mesmo sendo mitos...s...
  • Sou educadora de infância e subscrevo..
  • Não me parece que o facto de se usar o termo escol...
  • Sou mãe de um "finalista" (como ele diz) de JI . S...
  • Achei o artigo interessante. No entanto é feita re...
  • Check! confirma-se! Só falhei nas horas do comentá...
  • Lindo texto, muitos educadores ainda ficam presos ...

arquivos

2013
2012

blogs SAPO


Universidade de Aveiro