Crise aumenta número de abortos em Portugal


No Amadora-Sintra, interrupções voluntárias  da gravidez subiram 23% nos primeiros meses do ano. Associações antiaborto culpam legislação.

O número de abortos realizados em Portugal aumentou desde o início do ano, um crescimento que pode estar associado à crise económica, segundo responsáveis clínicos, mas que os movimentos antiaborto atribuem também à legalização da Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG).

Só no Hospital Amadora-Sintra, que serve 700 mil habitantes, foram realizadas 663 IVG nos primeiros quatro meses deste ano, um aumento de 23% em relação ao mesmo período de 2008. A corroborar este aumento está a Clínica dos Arcos: a directora desta instituição revela que, entre Janeiro e Maio, foram realizadas 2647 IVG - um aumento de 24%.

Segundo Artur Vaz, administrador do Amadora-Sintra, registou- -se também diminuição de partos. O director não hesita em atribuir estas tendências à crise e aos "receios de assumir uma gravidez não planeada" perante "cenários de instabilidade económica".

A mesma opinião tem Duarte Vilar, da Associação para o Planeamento da Família, para quem em altura de crise "é menor a margem de aceitação de uma gravidez inesperada". Salientando que a possibilidade de um novo filho é um situação delicada, Duarte Vilar acrescenta que "essa exigência é agravada com factores como o desemprego, baixa do rendimento e instabilidade profissional". Rejeita, contudo, que as pessoas estejam a substituir a contracepção pelo aborto, dizendo antes que está a existir um controlo mais forte da natalidade.

Já Joaquim Galvão, do grupo Mais Vida, Mais Família, admite que a falta de dinheiro tem impacto, mas sublinha que "a falta de valores" e a "irresponsabilidade" também contribuem para aumentar o número de IVG. O aborto como forma de contracepção revolta-me muito", critica.


O que pensam disto? Aborto ... SIM OU NÃO???


publicado por Curiosos às 20:02